13 reasons why – Vamos conversar?


Depois de ter acompanhado o alvoroço de postagens na minha timeline do facebook a respeito da série “13 reasons why”, eu resolvi ver sobre o que se tratava.

Sem spoilers, ok? Acho que grande parte da série é a forma como ela te consome para você assistir aos episódios sem piscar.

Bom, Hannah Baker é uma adolescente que se suicidou. Mas, antes de se matar, ela grava  umas fitas k7 explicando os 13 motivos. A série é baseada em um livro, mas com algumas alterações segundo o que li por aí.

Vi muitos comentários: adolescentes não deveriam assistir porque os motivaria a tirar a própria vida bem como seria uma obrigação de todo e qualquer pai assistir. O que fazer então se eu, Lívia, não me enquadro em nenhum dos padrões?

Pude assistir sem preconceitos.

Mas, aconteceu algo engraçado, se é que esta é a palavra correta a ser usada. Eu comecei a tentar relacionar as experiências daqueles adolescentes com as minhas quando eu ainda estava na escola.

Veja bem, sou de uma época (oh, falou a velha) que a palavra bullyng ainda não estava na moda. Se bobear, ela ainda nem tinha sido usada. E o que acontecia era a tal “zoeira”. Na escola – e olha que estudei bons anos em escola católica – o racismo existia, o preconceito era transformado em piadas nas quais o ofendido não tinha direito de reclamar, apenas aceitar.

E eu senti na pele algumas destas brincadeiras “sem maldade”. Vai ver é justamente por isso que hoje eu não gosto de ironias e indiretas porque nelas, cada um entende o que quer. Mas meu post não é sobre isso, é sobre a série e o que senti.

Hannah ganhou uma fama que era falsa, viu seus “melhores amigos”apunhalarem ela pelas costas. Que ser humano nunca passou por isso? A diferença está em como cada um lida e isso não quer dizer que temos que culpar a vítima.

Na verdade, 13 reasons why, para mim foi num ponto mais profundo: relações humanas. Por que tem gente que precisa denegrir a imagem de alguém para ser superior? Por que tem pessoas que te fazem sentir mal pela sua eficiência se os mesmos têm dificuldade em aceitar sua própria deficiência? Por que insistimos em querer que o outro seja e se comporte exatamente como achamos que é o certo?

Por que você precisa beber, só porque os outros bebem? Por que você precisa fazer algo às vezes ilegal para que seja aceito num grupo? Estas e muitas outras questões surgem aí, bem na adolescência, época que a gente não tem maturidade pra nada, mas que achamos que sabemos de tudo.

Ser autêntico nesta fase é um ato de coragem. Dizer a verdade que existe dentro de você é muitas vezes escolher o caminho do isolamento e ficar sozinho é que o adolescente tem mais medo. Veja bem, eu tinha este medo. Eu achava que precisava aceitar os apelidos malvados que recebi de uma pessoa que considerava minha melhor amiga, eu achava que precisava me comportar como todos faziam para que eu fosse aceita. Hoje, aos meus 30 anos eu olho pra trás e me pergunto: quem daquela turma que eu achava fantástica permaneceu? Ninguém. Eu morri? Não. Segui minha vida, conheci mais um tanto de gente que veio e se foi, mas o tempo (olá, maturidade sua linda) é realmente o meu melhor amigo.

Quando a gente sente na pele o bullyng, preconceito ou qualquer outra coisa que não seja boa, não é nada fácil mudar a corrente. É doloroso ter que seguir por outro caminho e dá medo do que vai acontecer.

Quantas e quantas vezes ouvimos insultos e guardamos todos eles dentro da gente? Ficamos remoendo por anos e o causador continua numa boa?

Se você for um pai ou mãe e estiver me lendo, nestas horas deve estar pensando: converse com os seus pais. Ah, meu caro leitor…isso para um adolescente é muito difícil. Lembre-se da sua fase teen: você também tinha as suas certezas e compartilha-las com os seus pais não era nada fácil. Toda e qualquer ideia sempre vinha carregada de um sermão ou de uma proibição. Isso não quer dizer que os pais estivessem errados, é que adolescente não enxerga isso mesmo.

Gosto muito de uma fala do Clay Jensen (meu personagem preferido da série) quando ele diz que a gente pode fazer diferente. Sim, a gente pode! Não só podemos como devemos.  Precisamos mudar a forma como nos relacionamos com as outras pessoas. Mais uma vez, não é uma tarefa fácil, exige trabalho.

E qual começar com você mesmo?

Você se trata bem? Ou vive num mundo online perfeito e sua vida não está lá a estas coisas? Como você se relaciona com quem divide o teto? Pai, mãe, irmãos, marido, esposa, filhos…

Quanto tempo você passa com eles? Quantas vezes se propôs a apenas ouvir e não julgar ou tentar resolver o problema da pessoa? Você já manipulou alguém?

Até que ponto a sua verdade é a verdade do outro? Aliás, quantas verdades existem neste mundo? Cada um recebe da forma que quer receber.

Como eu disse, é complicado. Mas esta é a maravilha da vida: aprender. Não precisa saber de tudo o tempo todo, aliás ninguém precisa disso.

Se você estiver a fim de despertar estes questionamentos dentro de você, assista à série. Ela é pesada, sim. Mas ao mesmo tempo muito bonita em sua direção de arte.

Pra mim nem precisava de segunda temporada. Ela cumpriu seu papel como arte: mexer com as pessoas, provocar e fazer pensar.

E você assistiu? Conte me o que achou.

 

Anúncios

Coisas da Tatá – Manual do fã


Recebi o lindo convite da Tatá para participar do seu canal no youtube, o Coisas da Tatá. E quando ela me falou o tema, sabia que ia me divertir muito gravando com ela.

Eu sou fã de um bocado de gente. De anônimo a famoso. E você?

Uma das coisas que sempre me choca é a criatividade (ora positiva, ora negativa) que um fã tem para demonstrar o seu amor e chegar perto ao seu ídolo. Então, veio o tema: como seria o manual do fã?

O que você não deve fazer?

O resultado deste divertido vídeo, você assista dia 28 de setembro, às 20 horas.

Mas, enquanto isso, fica o teaser.

Teaser 2

 

saiu o vídeo!

2016


E hoje mais um ano inicia. Podemos usar o clichê de dizer que à meia noite recebemos um livro com 365 páginas em branco para a gente escrever a nossa história como a gente bem entender.

Sabe, imprevistos acontecem sim. Tem horas que somos pegos de surpresa, como o meu caso, que a geladeira de casa resolveu queimar após a queda de energia no dia 26 e ainda tenho que aguardar o laudo da eletropaulo…É…faz parte.

Tudo estava combinado: iria, pela primeira vez em dez anos passar a virada do ano em casa e, também pela primeira vez, passaria o réveillon na minha casa. Mas, marido e eu resolvemos não nos abalar. Ficamos por aqui.

Ceia singela com coisas que não precisam ir para a geladeira, como macarrão e ovo, água sem gelo para beber, mas muito amor. MUITO AMOR.

Fomos presenteados com quase 30 minutos de fogos na vizinhança e assistimos tudo de camarote, no conforto do nosso lar. Só eu e ele. Só o meu marido e eu. E posso falar?

Foi a virada do ano! Me emocionei demais. Quando a gente casa, é isso. É caminhar ao lado de quem você escolheu viver, é enfrentar as dificuldades, driblar os problemas e jamais deixar o amor ir embora da nossa vida.

2016 não começou como eu esperava. Mas quer saber? Já começou surpreendente. E eu sei que tem muita coisa boa vindo por aí. Deixo a Deus o cargo de escritor e quero ser apenas a leitora de tudo o que Ele está preparando pra mim.

Expectativas


Algo que aprendi entre julho de 2013 e hoje é não crie expectativas.

expectativa

Não confunda expectativa com objetivos e metas, são coisas bem diferentes.

Expectativa: Estado de quem espera algum acontecimento, baseando-se em probabilidades ou na possível efetivação deste.
Desejo intenso por algo próspero: expectativa de um bom trabalho. Dentro disso, encontramos como sinônimo a palavra esperança e como antônimo a desilusão.

Objetivo:É o que se quer alcançar , o que move as pessoas a agirem ou a tomar alguma decisão.

Pois bem. Quando criamos expectativa de algo que acaba não dando certo o choque é muito grande. Eu, por exemplo, tinha a expectativa de hoje já estar no meu peso ideal ou que meu marido adivinhasse certos desejos e vontades que tenho. Coitado, por que fui colocar uma responsabilidade desta nas costas dele? Piadas à parte, ninguém nasce com bola de cristal, não é mesmo?

E conversando com amigas notei que o maior problema de qualquer tipo de relacionamento é a expectativa que criamos em cima do outro. A decepção quando este “desejo” não se realiza é tão grande que está sujeito a raiva aparecer. E até mesmo a mágoa. E isso está errado.  Não sou muito de ler livros de auto ajuda, mas confesso que já li alguns como o famigerado “As mulheres são de marte e os homens são de vênus” e já vi alguns vídeos na internet satirizando os clichês das brigas de casais. E não tem jeito: homem e mulher pensam diferentes. Aliás, qualquer pessoa pensa diferente de você. E partir do momento em que você começa a aceitar isso, as coisas podem ficar mais fáceis. Mas, calma que não é suficiente.

Algo que tenho praticado é ser mais direta. Não grossa, mas por exemplo, mais clara quanto ao meu desejo. Vou dar um exemplo caseiro: “Amor, você pode lavar a louça agora?” Dependendo da resposta dele, eu ainda explico por que quero que ele faça aquilo naquele determinado momento. E voilà: as coisas acontecem. Antes, eu só pensava “Bem que ele podia fazer x,yz…” e o coitado nem sabia o se passava na minha cabeça. E eu ficava brava sem motivo algum.  Pra que, né? O mesmo acontecia com algum colega de trabalho, eu tinha dificuldade em dizer o que queria e quando a pessoa não adivinhava, eu ficava muito brava.

Este pensamento em relação à expectativa tenho expandido a outros relacionamentos também: profissionais, familiares e até de amizade. Tenho procurado não esperar muito das pessoas e quando quero algo delas, eu tenho falado mais claramente. E  vou confessar: não é fácil. Acredito que temos medo de falar o que pensamos por receio de uma rejeição, mas mais uma vez, ninguém é obrigado a fazer aquilo que você quer. E outra coisa que aprendi com a vida: o não a gente sempre tem, mas tente, vai que você encontra o sim?

Relacionamentos, de qualquer natureza, são difíceis. Porque não existe um dominador, existe uma igualdade – ou pelo menos deveria existir – e por isso é tão difícil.  Mas ajuda se colocar no lugar do outro e ouvir seu próprio pedido. Assim, você aprende a olhar pra si e ver quem você realmente é e o que quer da vida.

Estou filosofando bastante, né? Ainda mais depois de ter ficado bastante tempo sem postar. Na verdade, eu havia começado este post em agosto, mas por falta de tempo (ou planejamento?) acabei deixando pra lá. Mas é um assunto que tenho gostado bastante de pensar a respeito e, por isso, resolvi postar.

Essa coisa de crescer não é fácil, mas quem disse que precisa ser sofrida? Vivendo e aprendendo. Crie objetivos e não expectativas….

Sinalize sempre


placas_sinalize

Sou daquelas pessoas que gostam quando há clara sinalização. Exemplo, pra mim é de suma importância saber qual é o banheiro feminino e qual o masculino. Ou se tal rua é mão única…coisas do tipo.

Mas o que aconteceu comigo no sábado não foi bem este tipo de sinalização. Eu entrei no casamento errado! Isso mesmo que você leu.

Coincidentemente, dois sítios vizinhos estavam celebrando um casamento no dia 6 de setembro. Logo que entramos na rua, vimos alguns motoristas parados e um homem com roupa de pai de noivo. Como eu conheço apenas a família da noiva, perguntamos ao homem onde estacionar. Ele indicou e entramos. Não tinha ninguém na porta para receber os convites individuais e o homem nem nos preguntou quem éramos.

Assim que entrei, dei de cara com aqueles famigerados quadros do casal com espaço em branco para assinar. Para a minha “sorte” o casal na foto estava de costas e a foto estava escura, sendo assim, não estava conseguindo reconhecer o casal. Até aí, tudo bem. Peguei a caneta e escrevi “Muito amor na vida de vocês. Beijos Li e Thi”. Assim que terminei de fazer isso, um frio me passou pela barriga. Resolvi olhar o lugar porque sentia que tinha algo errado.

Foi quando fui até a mesa do bolo e vi que a noivinha era loira. Loira? Calma, lá! Minha amiga é morena! Muito sem graça, puxei o marido de canto e disse:

“Amor, acho que estamos no casamento errado”. Saímos discretamente e na porta, uma plaquinha minúscula apontava o nome de outro sítio.  Começamos a rir muito. E percebemos que havia mais gente perdida por ali.

Caminhamos até o sítio ao lado e chegamos ao nosso destino. Segundo o rapaz que estava na porta para receber os convites, não fomos os primeiros a entrar no casamento errado naquela noite.

No fim da história, chegamos a tempo para a cerimônia (que chorei muito rs) e fiquei pensando na cara do casal desconhecido lendo o meu recadinho no quadro rs rs rs Me senti quase no filme “Penetras bom de bico”.

 

 

 

Na fila


Dizem as más línguas que brasileiro adora uma fila. Não sei se concordo com isso, mas é tão difícil tentar resolver qualquer coisa sem pegar uma mísera filinha de pelo menos 5 pessoas na sua frente.

É um milagre divino quando você chega e já é atendido. Mas este post não é, necessariamente, uma discussão sobre as filas em si, mas sim como as pessoas se comportam.

Há menos de dez anos, quando me encontrava em uma fila qualquer, eu notava duas coisas: as pessoas liam livros ou até mesmo conversavam umas com as outras. Dependendo da demora, tinha até aquele famoso barraco do irritadinho que acha que só ele tem compromisso e, por isso, tem que ser atendido logo.

Já, neste exato momento, vejo algo diferente. Todos, sem exceção, estão com a cabeça baixa e digitando ferozmente em seus smartphones ou jogando candy crush. Conversas quase não existem, a não ser que o telefone toque. É tão impressionante que eu mesma estou escrevendo este post em pé, aguardando a minha vez de ser atendida.

Eu tiraria uma foto, mas acho que chamaria atenção.

É, já dizia meu orientador de TCC, a tecnologia é um treco fascinante.

Maridos e videogame


Conheço muitas mulheres que reclamam de seus maridos viverem grudados no videogame da mesma forma que conheço homens que reclamam que não conseguem jogar videogame porque a esposa não deixa.

videogame

Eu, particularmente, acredito que um casal não deve perder a sua individualidade quando casa, mas também não deve pensar que vai viver exatamente como vivia quando era solteiro. Gosto de poder fazer algumas coisas sozinha, como fazer minhas unhas, ler um livro e nada mais justo do que o marido ter o tempo dele pra fazer as coisas dele. E aí, entra o videogame.

Mas este post não é pra focar no meu relacionamento, mas sim em uma conversa que presenciei hoje na volta do almoço entre dois homens.

Reprodução:
Homem 1 – Cara, você tá curtindo o PS4?
Homem 2 – Curtiria mais se a minha mulher deixasse eu jogar mais.
Homem 1 – Mas você tem que ser esperto, cara. Eu consigo jogar quase todos os dias.
Homem 2 – Como você faz isso?
Homem 1- Eu aproveito a hora da novela pra jogar.
Homem 2 – E da certo?
Homem 1 – Dá, o problema é quando a novela acaba e eu ainda quero jogar.
Homem 2 – Aí é que f***

Bom, como esposa e mulher…o que posso dizer é o seguinte: nada como uma boa conversa. Assim como o cara não vai gostar que a mulher saia com as amigas e o deixe sozinho, o mesmo acontece ao contrário. Que tal encontrar um equilíbrio?

Uma carta para a Lívia de 17 anos


Vi esta ideia no blog “Meu Manequim 40” de escrever uma carta para a Lívia de 17 anos. A ideia é escrever uma carta para você dez anos mais novo do que está. Aí pensei assim: adorei a ideia. Melhor ainda escrever isso no meu aniversário.   Então, vamos lá.

Nome: Lívia Di Bartolomeo Aguiar

Idade: 27 anos

Profissão: Produtora da Rádio Nativa FM de São Paulo

Lívia por Lívia: ariana brava, chata e sistemática. Escolheu comunicação como profissão, adora assistir filmes bobos e alguns sérios e não se incomoda de reassistí-los por muitas e muitas vezes. 

Oi, Livia de 17 anos sem acento. Eu sou a Lívia, você dez anos mais velha e com acento. Ah sim, é você mesma, Lívia. É que você vai descobrir quando casar que na sua certidão de nascimento havia acento. Calma, eu já chego lá, não se assuste.

Como você está? Se me lembro bem, você está no terceiro ano do colegial, namorando, estudando muito e preocupada se vai conseguir passar em jornalismo direto na Cásper Líbero sem precisar fazer cursinho. Algo em você dizia que iria passar por grandes mudanças e ah, minha querida, você passou mesmo. Saiba que eu ainda penso que a sua primeira melhor decisão da sua vida foi ter mudado de colégio. Disso não tenha dúvidas. Você foi muito esperta em seguir a sua intuição e sair daquela escola gigante e ir para algo menor, mas com qualidade infinitamente melhor. Parabéns! Eu sei o quanto você teve medo, mas arrasou, garota!

Ainda falando do colégio, você conheceu muita gente ai, né? Pois é, vários colegas e amigos bons que eu ainda tenho hoje. Sim, calma. A sua decepção dos 15 anos foi superada. Mas posso te dar uma dica? Você vai casar com um amigo seu! Uia! rs rs…e pensar que agora…dia 27 de março de 2004 você nem imagina que amigo é este…rs…mas ele tá já aí…estudando na sua sala…vocês se falam todos os dias…rs rs rs

E o vestibular? Ai…eu sei que você está mega nervosa e sente muito pressionada a passar logo, mas vou ter que te contar. Você não vai passar na Cásper Líbero. É verdade, você vai saber desta notícia quando estiver na praia com os seus pais e vai se sentir um lixo, incapaz porque você estudou muito. Mas, calma. Não era a hora. E você vai entender o porquê.

Você vai ser uma filha da PUC, sim. Vai conhecer o mundo ali. Vai andar de metrô sozinha, sair do bairro, conhecer gente nova de todo tipo. Ter contato com coisas que você jamais imaginou ver às 08h da manhã, mas a sua cabeça está no lugar. E para a sua alegria: vai conhecer duas amigas muito especiais e aprender a realmente dar valor aos estudos. Vai até fazer trabalho de domingo às 7h!!! Serão os 4 anos mais intensos da sua vida. Você vai desbravar a cidade e vai engatar um namoro com o seu futuro marido. Aquela sua ideia de que seria interessante ser amigo da pessoa antes de namorar, deu certo.

O seu sonho era trabalhar em uma grande emissora? Você vai conseguir, tá?! Mas não com o jornalismo.  Como assim? Você vai penar com o jornalismo. Vai ver que a sua vontade de trabalhar em TV e com vídeo será esmagada pelo jornalismo impresso e pela assessoria de imprensa. Não se fruste. Este será um dos seus diferenciais no futuro. Seus estágios serão todos em assessoria de imprensa, algo que você nunca pensou, mas fique tranquila. Isso vai te dar uma base muito boa das coisas.

Nesse período você vai conhecer e se apaixonar pela língua francesa e alimentar ainda mais o sonho de conhecer Paris. Aliás, com o seu primeiro salário de estágio você sabiamente vai começar a guardar dinheiro para isso. Você também vai conhecer cidades internacionais, antes de Paris, e vai se encantar. Mas não vou dizer onde. Descubra no tempo certo.

Você vai se formar desempregada, mas não se assuste. Você vai tomar mais uma decisão importante e fundamental na sua vida: estudar Rádio e TV. E voilà! A Cásper Líbero abre as portas pra você. Sim, você vai estudar na sua faculdade dos sonhos. E vai ser do jeitinho que você imaginou. Tudo! E ta dan! Vai entrar em uma grande emissora. Sim….e vai trabalhar com rádio! Opa…você vai se apaixonar por este veículo!

Quanto à sua personalidade, algumas coisinhas: seja mais paciente. Não espere muito dos outros, sabe? Não que o mundo seja cruel, mas não guarde mágoas e bola pra frente. O seu lado sentimental (de chorar por tudo) vai continuar forte, mas você vai se controlando. E quer saber? Não tenha vergonha disso. Nem todos são sensíveis e não ache que você é a pessoa mais chorona do mundo. Tem sempre alguém pior e melhor que você. A sua teimosia pode trazer bons frutos, se você souber usar. Na verdade, você soube…estou colhendo coisas boas por ter estudado demais. E ignore todos que falarem da sua risada, tá? Ria com vontade, sem medo de ser feliz. Porque a gente sabe que a nossa risada é sincera e vem do coração. Infeliz é aquele que não sabe sorrir.

Só te peço para mudar uma coisa: cuide da sua alimentação. Se não você vai engordar demais…tipo uns 14 kg…e entre logo em uma academia rs. Nos assuntos do coração,  eu disse que você vai casar, né? Sim, a Lívia de 27 anos já está casada há quase um ano. Quer uma dica de quem é seu marido? Olha aí o meu sobrenome rs.

A vida dá uma bela de uma reviravolta, muitas coisas acontecem, mas você se fortalece. E ah, você conhece Paris e atualmente tem vontade de morar lá rs. Agora eu estou aqui, aguardando a carta da Lívia de 37 anos para saber o que acontecerá comigo.  Enquanto isso, assim como você, vou curtindo cada instante e aprendendo com cada lição. E me conhecendo a cada dia mais. E ah! O mais importante: FELIZ ANIVERSÁRIO! Hoje o dia é nosso!

aniver

 

Ganhamos parabéns até do Google! google

Pós – Natal


Olá, já tentando cumprir a meta #12 Atualizar o blog toda semana, cá estou eu!

Hoje eu quero falar daquela sensação pós Natal. Para quem está na luta contra a balança o Natal pode ser a jacada-mor da vida. Tem tanta coisa pra comer que a gente normalmente sai rolando. Neste ano, eu comecei a prestar a atenção no que eu estava colocando no prato e também dando aquela conferida no prato dos outros. Não querendo ser enxerida, mas eu sempre acho que como demais e queria comparar aos outros pra ver se eu sou realmente um saco sem fundo.

E sabe que isso ajudou? Comi menos. Beeeem menos. Obviamente que não foi a refeição saudável porque me permiti comer arroz com batata e ainda dei espaço para a sobremesa, mas segui uma orientação da época em que ia à nutricionista: se for comer alimentos fora da sua dieta, maneire na quantidade. E foi o que fiz. Não repeti o prato, comi aquela quantidade que me dispus, comi pouca sobremesa e deixei o refrigerante de lado. Ponto pra mim! Foi tanta evolução que de noite eu até senti fome rs… Digo isso porque normalmente a gente come tanto que não tem fome por dois dias depois do Natal, rs.

O jantar foi outra jacada. Fui em uma hamburgueria com o marido,mas não ataquei o prato de batata frita rs….vamos melhorando aos poucos, né?

O mais divertido de tudo isso, além de passar um tempo com a família e dar boas risadas, é acompanhar as brincadeiras nas redes sociais como a imagem abaixo.

É isso aí! Agora é voltar ao foco e às atividades!

Imagem

Tchau, 2013


Pensa num ano que virou o meu mundo do avesso? Sim, foi 2013. Muitas coisas aconteceram, muitas mesmo. Mudanças extraordinárias que quando paro para analisar, parece que vivi 5 anos e não apenas 12 meses.

Fazendo uma retrospectiva, vamos lá:

Em janeiro uma grande decisão foi tomada: Amor e eu marcamos a data do casamento. E compramos a viagem para Paris. Assim, tudo de uma vez! Eu ia casar e logo em seguida realizar o sonho de conhecer esta cidade luz maravilhosa. Como uma boa ariana, a ansiedade passou a fazer companhia todos os dias.

Neste ano, foquei na alimentação e vida saudável. Conheci o muay thai, boxe e até encarei a musculação. Entre idas e vindas encerrei o ano com o mesmo peso que iniciei: 70 kg. Emagreci um tempo, voltei a engordar e no final das contas posso até dizer que mantive o peso rs. Não era bem o peso que queria, esperava estar agora com 60 kg, mas..faltou mais determinação.  Não irei usar a desculpa do casamento não, foi falta de planejamento mesmo. Eu nunca tive um ano tão estressado e ao mesmo tempo tão feliz. O lado emocional ficou a flor da pele durante todos os meses. Alguns sustos no caminho, algumas decepções, mas sei que aprendi e amadureci um bocado.

– Lado incrível de 2013: casei, moro na minha própria casa, ganhei uma afilhada muito amada e amadureci
– Lado tenso: nada de emagrecer e algumas outras coisinhas que prefiro deixar pra lá e começar 2014 com mais firmeza.

Metas para 2014?
Minhas 30 resoluções:

Não está por ordem de prioridade, posso ir completando em ordem aleatória.

1) Sair do sobrepeso. Isso significa pesar abaixo de 62 kg. Ou seja, nos próximos 12 meses, tenho que diminuir 9 kg na balança.
2) Usar manequim 40. Atualmente estou no 44/46.
3) Ter a medida da cintura abaixo de 80 cm. Atualmente, 88.
4) Beber mais água, todos os dias.
5) Malhar pelo menos 144 vezes ao ano, o que daria uma média de 3 vezes na semana. Caso consiga ir mais, beleza. Se uma semana for apertada, vou mais vezes na semana seguinte.
6) Anotar todos os treinos e alimentações em uma agenda.
7) Correr 5 km em 30 minutos (na rua e na esteira)
8) Adeus refrigerante por um ano
9) Ir para a praia ao menos 6 vezes em 2014
10) Ler 10 livros
11) Fazer algum curso
12) Atualizar o blog toda a semana
13) Tirar mais fotos, imprimir mais fotos
14) Editar mais vídeos
15) Conhecer um lugar novo
16) Comer chocolate no máximo 1 vez por semana. Anotar quando comer.
17) Correr em algum parque ao menos 8 vezes no ano.
18) Me estressar menos
19) Comprar patins e voltar a andar
20) Participar de pelo menos 4 corridas de rua
21) Cozinhar receitas dukan e outras receitas mais saudáveis
22) Continuar trabalhando com o que eu adoro
23) Comprar uma sapateira e criados mudo.
24) Rir mais
25) Fazer as unhas com mais frequência (aprender de uma vez ou ir mais vezes ao salão rs)
26) Usar protetor solar e hidratante todos os dias
27) Assistir à uma peça de teatro
28) Ir mais vezes na piscina
29) Namorar/maridar muito
30) Me amar mais! Muito mais!

Bora lá! Que 2014 seja incrível! E quais são os seus planos para 2014?

HPV – Vacina


vacinaHoje o assunto do blog vai para o lado da saúde. Há algum tempo eu vinha namorando a ideia de tomar a vacina contra o HPV (doença sexualmente transmissível que pode levar ao câncer de colo de útero), mas pelo preço, fui deixando de lado. Até que surgiu uma campanha de vacinação no trabalho que apresentou um preço mais camarada e eis então a chance de tomar a vacina.

Conversei com a minha ginecologista e ela me autorizou. Existem dois tipos de vacina contra o HPV, a bivalente que protege contra os dois tipos de vírus que são os maiores causadores de câncer de colo de útero e o tetravalente que, além de proteger contra os vírus que mais causam, previnem também o aparecimento de verrugas. Aqui no trabalho estão aplicando a bivalente que é comercialmente conhecida como Cervarix.

Existe idade para tomar a vacina? Em uma pesquisa rápida pela internet dizem que é melhor tomar ainda quando criança, com 9 ou 10 anos, pois o organismo produz uma quantidade alta de anticorpos, ou seja, conforme vamos envelhecendo a nossa capacidade de produzir anticorpos vai diminuindo (isso explica porque idosos ficam doentes com mais facilidade). Dizem também que uma data limite seria os 26 anos (ops, minha idade), mas nada impede que mais velhas também tomem a dose.

A vacina é aplicada em 3 doses. Eu tomei a primeira. A segunda dose será daqui a 30 dias e a terceira depois de 180 dias. Ela tem uma durabilidade de 10 anos.

É importante lembrar que a vacina previne, mas não trata e que a visita ao ginecologista é muito importante. O exame que detecta essa doença é o tradicional (e incômodo) Papanicolau.

Quem me conhece sabe do meu pavor de agulhas, mas tive que ignorar o meu medo. Fui até o ambulatório com a minha cara de coragem e voilà, tomei a vacina. A picada não dói (de verdade), mas a vacina entrando arde e muito. O meu braço ficou mega dolorido e continua dolorido (eu tomei ontem e ainda doi, ou seja, nada de musculação nos braços por enquanto). Quero deixar claro que não é uma dor insuportável, mas incomoda. Eu gosto de dizer que é a mesma dor quando você leva um tombo ou uma pancada: se não mexer na região, você nem lembra, mas esbarrar, encostar ou bater a dor grita demais! Rs.

Quase perco a coragem de lembrar que em pouco tempo sentirei essa dor novamente, mas é melhor prevenir, não é mesmo?

E você, tomou essa vacina?

 

Paris #3


Ainda falando um pouco de organização, mas desta vez da mala e os preparativos para a viagem (que pra mim, foi a dos sonhos).

mala

Julho é o verão lá na Europa, logo pode carregar a mala de shorts, saias, regatas e roupas leves e, dependendo de onde vai, até separe o seu biquíni.  Em Paris não existe praia natural, mas existem piscinas públicas. Não fui em nenhuma, mas vi uma flutuante (sim, isso mesmo) montada sob o rio Sena. Apesar de saber que era verão, vá para o Aeroporto levando blusa, cachecol, use meias com tênis porque ô lugarzinho gelado…

Para 7 dias, eu levei na mala:
– 1 bom par de tênis (daqueles beeem confortáveis)
– 1 sapatilha para sair à noite
– 2 rasteirinhas
– 5 bermudas
– 1 vestido
– 2 saias
– 10 blusinhas
– 2 calças jeans
– 2 casaquinhos leves
– 14 calcinhas (sou daquelas que toma dois banhos por dia, desculpa aí franceses…)
– sutiãs

Dicas importantes

– Mala de mão
Você não pode transportar perfumes com mais de 100 ml (a não ser os comprados no free shop e mesmo assim, cuidado! Se o seu vôo tiver conexão, não pode comprar perfume com mais de 100 ml mesmo assim), desodorante aerosol, nem pensar! Vimos muitos serem jogados no lixo por causa disso. Também não é permitido transportar água. Remédio, pode. Mas garanta a sua receita médica e coloque eles naqueles saquinhos tipo ziploc.

Na minha mala de mão foi: passaporte, passagem, kit viagem para os dentes (uma mini escova de dente, uma mini pasta e um enxaguante bucal de 25 ml), máquina fotográfica, reserva do hotel, meus livrinhos de dicas em paris, um mini dicionário francês-português para me salvar no vocabulário (e salvou, falo disso depois), carteira, celular (que fica desligado durante o vôo), meus óculos, pente, óculos de sol (afinal, chegaríamos lá pela manhã).

Ah! Dúvida em relação ao notebook? O Thiago levou. No aeroporto aqui no Brasil, perguntamos se precisava declarar e nos informaram que se o aparelho demonstrar uso (fotos na memória, arquivos) não precisa.

Importante: para viajar para a Europa você tem direito à uma mala que pese até 23kg e a sua de mão não pode ultrapassar 12kg, segundo a AirFrance (dizem que com a TAM o peso é menor, então vale checar). A minha mala na ida pesava 15kg e a do Thiago, 12kg. A de mão não passou de 5kg a minha e 3kg a dele.

Eu levei protetor solar facial, mas tive que comprar um corporal lá porque o sol, apesar de não ser tostador como daqui, também queima. Então, não esqueça de inserir o protetor solar na mala, ok?

Outra coisa que esqueci de levar e me arrependi horrores: shampoo! Lá, as marcas baratinhas que encontramos aqui são bem caras e comprar shampoo de marca também não rolava, né? Tive que pagar a pequena fortuna em um que eu sabia que no Brasil não passava de 3 reais…mas…faz parte…quem mandou esquecer?

E ah! Condicionador! Eu também esqueci e tive dificuldade para encontrar lá. Procurei em várias lojinhas e os preços razoáveis eram raros. Mas acabei encontrando um. As farmácias de lá não são como as daqui que você encontra quase de tudo.

 

É isto aí, no próximo post desta série, mais coisas importantes sobre a viagem!

 

Casamento #3


Ainda falando sobre a mudança de documentos, hoje eu quero falar especificamente da CNH. Este post vale não só para a mudança de nome, como também para quem precisa tirar uma 2ª via da CNH.

CNH

Casou e mudou de nome? Vá a um posto de um Poupatempo ou faça o seu agendamento online aqui.  A categoria “mudança de nome” não existe para a CNH, então, diga que você precisa de uma 2ª via dela. Imprima/guarde o seu número de protocolo, sem ele você não será atendido.

Se a sua carteira de habilitação ainda está no prazo de validade (no caso a minha estava), você não precisará realizar o exame médico (dica: pelo que reparei, no Poupatempo este exame é mais barato). Caso esteja vencida, vai precisar. Para o meu azar (ou não…) eu, sem querer, lavei a minha habilitação e ela estava toda úmida e rasgada, ou seja, teria que tirar a segunda via de qualquer jeito. Para renovar a habilitação, sem exame médico, paguei R$ 31,96.

Para a segunda via, você vai precisar levar:

– Comprovante de residência – original e cópia – de no máximo 3 meses antes da data do atendimento.
– RG – original e cópia (como o meu ainda não estava pronto, mostrei o protocolo do RG e eles me autorizaram a usar apenas a Certidão de casamento).
– Certidão de casamento – original e cópia, caso você tenha mudado o seu nome.

Chegue no Poupatempo uns 15 minutos antes do seu horário porque você vai passar antes por uma triagem. Vão pegar o seu protocolo e confirmar se você trouxe todos os documentos necessários, sem eles, sem carta! Neste momento, irão te dar uma senha.

Quando chamam a sua senha, você senta lá com a moça/rapaz e entrega os documentos. Ela confirma os dados, imprime um ticket para você pagar a CNH e te avisa que a sua senha será chamada novamente para tirar a foto e colher as impressões digitais. Aqui você também assina a sua carteira no painel digital.

Poucos minutos depois (no máximo 5, de verdade), me chamaram e tiraram minha foto (baita cara de sono e sem maquiagem…ficou aquela meleca rs), e colheram as digitais de todos os dedos das mãos. Perguntaram se eu iria retirar no local a CNH (sai no dia) ou se queria pelo correio (demora 5 dias), claro que escolhi retirar pessoalmente. Depois disso, me encaminharam para pagar o ticket lá. A vantagem do Poupatempo é que eles têm um banco ali na sua frente pra você nem sair do espaço onde se encontra.

Depois de pago, te encaminham para outra fila rápida e lá você entrega tudo de novo: documentos + comprovante de pagamento. Aqui te avisam quando a carta fica pronta. Eram 8 horas da manhã e me avisaram que no mesmo dia, a partir das 16h, estaria pronta.

E você sai de lá com um protocolo. Qualquer maior de idade com documento original com foto e este protocolo pode retirar a sua habilitação pra você. Rápido, prático e indolor. Quando a burocracia funciona, até que é bom. Para retirar foi simples também. Nem tinha fila.

Pra mim este processo foi simples porque a CNH estava dentro do prazo de habilitação. Mas fique tranquilo, dentro do Poupatempo tem a parte de exame médico, é só pagar que você pode fazer tudo no mesmo dia.

Casamento #1


Assim como criei a série “Paris#”, venho com a “Casamento#”. Isso para ajudar quem vai passar por isso.

Para o primeiro post a respeito de Casamento, escolhi o tema “Papelada”

Imagem

Algumas coisas importantes a respeito da papelada:

1) Como será o seu casamento?
Existem diversas maneiras legais (nos termos jurídicos) para você casar. Você pode casar diretamente no cartório, casar na Igreja com efeito civil (quando o padre/pastor/entidade religiosa também atua como juiz de paz) ou casar em diligência, ou seja, quando você leva o juiz de paz para casar fora do cartório, que foi o meu caso.

Independente da sua escolha, o cartório diz que você deve ir com um prazo mínimo de 90 dias anterior a data até, no máximo, 30 dias antes do dia especial para dar entrada nos documentos.  É neste momento que você irá pedir uma habilitação para casar. Isso mesmo! Pensa que é só assinar e pronto?! Nada, você tem que dar entrada nesta habilitação aí. Para que ela serve? Depois de você ir ao cartório, esta habilitação fica disponível por 15 dias ao público para ver se há algum impedimento na união do casal.

Como fazer isso? Vá ao cartório mais próximo da sua residência. Leve certidão de nascimento, RG, comprovante de residência e duas testemunhas (podem ser padrinhos do seu casamento mesmo).

A pessoa que irá te atender irá fazer um cadastro seu e do seu futuro cônjuge. Neste momento você já decide se vai fazer comunhão total, parcial ou separação total de bens. É aqui também que você vai dizer onde vai casar. Depois de preencher tudo, você vai ao caixa pagar as taxas e as testemunhas vão lá (testemunhar, obviamente). Você vai embora com o protocolo para retirar a habilitação 15 dias depois.

No mesmo dia em que demos entrada, resolvemos visitar o cartório para onde iriam transferir os nossos documentos. Lá, já deixamos a data e horário agendados, passamos o endereço do local do casamento e nos entregaram um formulário, um para o noivo e outro para a noiva, para que preenchêssemos com um casal cada de padrinhos que iriam assinar no momento da cerimônia. Acabamos escolhendo o mesmo casal de testemunhas.
E eles também te dão um prazo máximo para levar a habilitação e este formulário preenchido.

Quando a habilitação ficou pronta, levei no cartório. Tudo conferido e bonitinho, só me restou aguardar a data do casamento, com o aviso de “noiva, não atrase” (levei tão a sério que cheguei antes, mas isso é mais pra frente). No dia do casamento, eles te entregam a certidão de casamento prontinha e linda.

É basicamente isto. Mas prepare o bolso que foi uma grana. Sim, casar em diligência chega a sair por um pouco mais que mil reais…

Paris #2


A organização da viagem

como-organizar-a-mala-de-viagem

A minha família sempre soube do meu sonho e quando avisamos que iríamos na lua de mel, eles me ajudaram me dando aqueles livrinhos de guia de viagem, de curiosidades do local e tudo mais que pudesse me auxiliar a montar o roteiro dos sonhos.

Em janeiro de 2013, meu amor e eu fechamos a data do casamento, o que significa que já estava na hora também de marcar a viagem. Meu coração já disparou na hora, né? Aproveitei também para marcar as minhas férias no trabalho. Optei por sair dia 1º julho (casamos dia 7) e retornar dia 31. Assim teria tempo para me organizar, casar e ainda descansar.

Aproveitando que eu estudei tanto tempo a língua, decidimos ir por conta, sem agência. Entramos no site Booking (http://www.booking.com/) e lá fomos pesquisando os hoteis com os melhores preços (afinal, o euro estava acima de 3 por 1).

Encontramos o Best Western Trocadero La Tour. No site, dizia que estava a 500 metros da Torre, que tinha banheiro no quarto (muito importante isso) e estava com um preço interessante com café da manhã incluso. Lemos as avaliações e escolhemos este mesmo. O bom de reservar o hotel com antecedência é que você garante aquele preço, mesmo sabendo que você só vai pagar isso na saída do hotel.  Acredite, pagamos menos da metade do valor da diária.

O vôo optamos por um direto, uma vez que os que tinham escala eram nos Estados Unidos e para isso, precisava do visto. E o marido estava com o dele vencido. A escolha pela Air France em relação a TAM, se deu no preço. A primeira custou metade da segunda, sim, literalmente a metade. O lado bom é que você pode parcelar as passagens e o bolso não fica tão pesado.

Como que escolhi a quantidade de dias? Primeiro, enumerei os lugares que gostaria de conhecer e conhecer no ritmo de lua de mel mesmo: acordar tarde, namorar e olhar a paisagem com calma. Tem gente que diz que dá para conhecer a cidade em 4 dias, mas eu não acreditei muito. No fim, optamos por 8 noites e 7 dias.

A maioria dos check in dos hoteis que pesquisamos era a partir das 14h, então valia a  pena chegar na cidade no período da manhã uma vez que o aeroporto Charles De Gaulle fica um pouco mais de 30 km do centro.

Uma dica interessante para quem for olhar vôos, escolha o menos óbvio. O vôo noturno, que sairia do Brasil às 19h00 era R$ 500,00 a mais por pessoa do que sair às 16h25. E outra: viajar na segunda-feira é muito mais barato do que ir no sábado ou domingo. Para o retorno, a mesma coisa….evite voltar nas sextas, domingos e segundas-feiras.

Algo importante a ressaltar: Paris está 5 horas na frente de São Paulo. Bom para se programar com o hotel. Então, o nosso vôo saía de São Paulo às 16h25 do dia 8 de julho (19h25 no horário de Paris) e chegou lá às 08h25, do dia 9 de julho (03h25, horário de São Paulo). Teríamos tempo suficiente para retirar as malas com calma e até passear no freeshop.

Tudo isto foi resolvido na segunda quinzena de janeiro. E o que me restava era esperar o tempo passar e correr com a organização do casamento.

turism-in-paris-300x200

Enfim, formada (2)


Está aí um post que há anos atrás eu jamais pensaria em escrever! Digo isso porque aos meus 17 anos eu nunca iria dizer que faria duas graduações. E ainda duas graduações dentro da comunicação!

Sim, senhores! A primeira opção logo que saí da escola foi jornalismo. Passei quatro anos na PUC. Aprendi um bocado de coisas úteis e também inúteis e acabei me formando com um gostinho de quero mais e ainda com o sonho de estudar na Cásper Líbero.

E lá fui eu prestar o vestibular. Para a minha alegria (e surpresa) eu passei em 12º lugar no curso de rádio e tv. Estava mega empolgada.

Eu entrei com a pegada de aproveitar cada momento. Estava mais madura, com 21 anos, e sabia que estava ali por opção. O primeiro ano foi o mais puxado com as matérias teóricas e eu estava desacostumada a fazer provas escritas. Mas as notas foram boas. E dos anos seguintes também. Tive professores maravilhosos, alguns nem tanto, e conheci muita gente legal, outros nem tanto também.

Aprendi a fazer coisas que nem esperava que fosse capaz de fazer. Calma, digo isso de qualidade técnica profissional e intelectual, nada ilícito ou vergonhoso. Mas também aprendi a ser mais paciente e vi que a vida fica muito mais fácil quando nos colocamos no lugar de aprendiz. Sério mesmo! Pensar que sabe tudo só traz frustração, mas se você mantém a mente aberta, tudo vem como algo que vai te acrescentar.

Enfim, foram muitas provas, trabalhos e o desafio da primeira monografia. Encerrei o ciclo de 4 anos com notas altas, quase sem faltas e feliz pela jornada que trilhei. E nessa segunda-feira foi a cerimônia oficial me informando que acabou mesmo! Eu colei, mais uma vez, o 3º grau. Sim, oficialmente sou radialista!

Só tenho a agradecer aos professores pelo incentivo, aos colegas pelas ideias divididas e trabalhos realizados, mas principalmente à minha família que mesmo às vezes não entendendo como eu aguentava a correria, me apoiaram como sempre fizeram.  Mãe e pai, sem vocês eu não teria tido condições de estudar o tanto que estudei. Grata por tudo que me deram. Só cheguei onde estou porque vocês me deram a oportunidade.

Eu consegui! Me formei, colei e grau e tenho a felicidade de dizer que agora sou jornalista e radialista!

Cerimônia de Colação de Grau

Cerimônia de Colação de Grau

Antes que as piadas comecem, não…não tenho interesse em cursar outra graduação. Se for para voltar à faculdade, que seja uma pós e quem sabe até mestrado e doutorado? Quem sabe… ainda sou nova e sei que os percursos são diversos, mas o caminho ainda é o mesmo! =)

 

Oi, 2013


Oi, 2013. Seu lindo! Você veio para inteirar 2 anos de noivado com o meu amor. Veio para me lembrar que terminei a segunda graduação da minha vida. Veio para dizer que realizou o meu desejo de me formar empregada. Veio para me chacoalhar e cuidar melhor da minha saúde. Seja bem vindo! Prometo lhe usar muito bem. Com consciência, mais paciência e acima de tudo maturidade.

Que 2013 seja ainda mais maravilhoso que 2012

Uma noite com Yanni


Nessa quinta-feira eu realizei um sonho. Aliás, eu e o noivo realizamos um sonho. Fomo ao show do Yanni no Credicard Hall, na turnê “One evening with Yanni”. (pra quem curte, ele está em São Paulo até amanhã)
Eu conheci as músicas do Yanni em 2005, logo no início do namoro. Nunca vou esquecer a emoção que foi ver o DVD dele de Acrópolis. Eu nunca tinha escutado nada igual e fiquei impressionada. Desde então, procuro os dvds e músicas dele e sempre ficava de olho se algum dia ele viria se apresentar no Brasil.

Na primeira vez que ele veio, perdemos a chance de comprar os ingressos: se esgotaram quase que instantaneamente. Mas, desta vez, ganhamos um par e fomos alegres e contentes prestigiar este instrumentista grego. Chegamos lá e já percebemos que a orquestra é reduzida em comparação ao que já tínhamos assistido em dvd, mas a emoção continuou.

Esta é a abertura filmada por alguém que estava na plateia superior

Eu confesso que as lágrimas caíram no momento em que a orquestra entrou.

Fiquei extremamente feliz de ver que o Yanni trouxe consigo: Charlie Adams, seu baterista que nos supreendeu no meio do show com um incrível solo de bateria e ainda usando o uniforme da seleção brasileira. Samvel Yervinyan, nos violinos, o armênio que manda muito bem. Já tínhamos admirado o trabalho dele nos dvds e foi emocionante vê-lo ali ao vivo. O arpista ,Victor Espinola, com cabelos curtos e bem mais velho, mas com um talento admirável.

Fiquei muito feliz de conhecer praticamente todas as músicas que ele tocou. É claro que para mim, 0 momento ápice foi quando ele tocou “storm”.

– este é do DVD.

Um momento que me fez chorar muito foi a música Nightingale que Yanni compôs especialmente para a China. Ouçam a voz da cantora. É de chorar…linda demais

Cenas engraçadas e divertidas

1) Charlie com uniforme da seleção e no meio do solo da bateria, ele bebe água.
2) Yanni falando em português: frases como “Olá, obrigado são paulo, boa noite brasil e jamais esquecerei vocês”
3) Yanni fazendo discurso em inglês e o tradutor traduzindo mal e porcamente. Detalhe que até o Yanni percebeu e deu risada.
4)  Fãs doidas gritando “Yanni lindo” e ele dando risada

Enfim..foi tudo de bom. Quero ir mais vezes com certeza. Mas é bom juntar dinheiro porque um show deste é beeeeem caro, mas vale a pena. ô, se vale. Guardarei esse dia na memória!

Chegando ao fim


Quando paro para pensar que em breve, muito em breve, termino a minha segunda graduação eu passo por um mix de sentimentos. Em alguns momentos me pergunto: Como você teve coragem de fazer outra faculdade? 8 anos menina! Quase um curso de medicina…rs…por outro fico pensando que foi a melhor decisão que tive na minha vida. Profissionalmente estou chegando onde quero chegar e estou muito feliz.

Nesta reta final de rádio e tv vem o TCC que já comentei algumas vezes por aqui. Ele está andando, quase terminando, amém! Dá aquele friozinho na barriga claro, mas nada do que senti quando fiz pela primeira vez para jornalismo. E também os planos para o casório, arrumando a minha casinha…é…tô crescendo.

Aí vem a expectativa de terminar logo o ano ao mesmo tempo em que quero aproveitar cada segundo…é…vamos que vamos

Afinal de contas, devemos pagar os 10% ?


Neste mês passei por um constrangimento em uma temakeria. Pedi 1 temaki e um chá e na hora do pagamento eu dei o valor exato do que pedi, sem levar em consideração os 10% do garçom. Eu não dei não porque fui mal atendida, mas porque estava realmente com o dinheiro contato para àquela ocasião. Eis que o garçom me pergunta se eu pagaria os 10%. Eu respondo que não e ele me pergunta se fui mal atendida. Novamente, a minha resposta foi não.

Olhando nos olhos dele, vi raiva e disse que estava pobre mesmo, que estava pagando o que consumi. O rapaz ficou mais bravo e outros garçons se juntaram a ele e vi apontamentos para mim. Saí de lá super sem graça. Eu nunca tinha rejeitado esses 10% e cheguei a me perguntar se era uma obrigação do consumidor pagar este valor.

Fui pesquisar e vi que estes 10% são considerados gorjetas e que NÃO são obrigatórios ao pagamento. Percebi que o que acontece é o seguinte: virou costume pagar esses 10% ao garçom, mania..sei lá o que mais posso chamar. É tipo você repreender um idoso por um hábito que ele tem desde a infância, ele não vai aceitar, mesmo que esteja errado.

Uma coisa que me assustei na pesquisa foi que esses 10% serviriam como complementação ao salário do garçom. Achei isso uma sacanagem! O salário de uma pessoa não deveria ser baseado nisso e sim nas horas que ele trabalha. Quer dizer que se o movimento estiver fraco, ele ganha uma merreca? Outra coisa que me assustou: alguns estabelecimentos não repassam os 10% aos garçons, dividem com outros funcionários e até mesmo pega metade disso para o dono. Ridículo, não?

De qualquer forma, mesmo que especificado no cardápio o valor dos 10%, os consumidores não são obrigados a pagar. Está no seu direito a se recusar. Se você quiser pagar, tudo bem. Mas eu chegaria no garçom e perguntaria na real se ele recebe todo o valor da gorjeta…

oi


Olá, blog. Eu te abandonei por uns tempos, não é mesmo? Os 25 anos chegando já se passaram e com ele alguns kg a mais. Trabalhando muito e adorando o que faço, estudando mais ou menos e correndo com o TCC, não como eu gostaria que fosse, mas dando aquele jeito. O primeiro semestre está quase no fim e fico só pensando no fim do ano. A academia..ficou de lado…por que? Saio de casa às 06h30 e volto às 23h. Delícia.

Terminar a faculdade é algo muito desejado neste momento. Assim terei mais tempo para mim, pra malhar, trabalhar e curtir o noivo. Os poucos momentos que me sobram, o sono domina. E por aí vai…muitas coisas pra realizar, algumas já conquistadas.  O jeito é surfar no tamanho que a onda vier. Se tomar caldo, não esquecer de segurar a respiração.

Aniversário do blog!


Eita!!! O meu blog já tem 4 aninhos! Que coisa fofa! E pensar que começou assim por acaso, com uma crônica que fiz em uma das aulas de jornalismo. Já mudei tanto de assunto neste blog, já quase o abandonei, já tive momentos de escrever demais…tudo depende do momento da vida que estou passando! Mas não quero abandonar! Quero ficar com ele pra sempre porque sempre dou risada com um post antigo ou me admiro por escrever um determinado texto que ainda me impressiona.

Vida longa ao blog! E a mim também!

Matemática


Atualmente tenho várias amigas que estão grávidas. Umas estão para parir, outra está no meio da gestação e tem aquela que acabou de descobrir a gravidez. É óbvio que o assunto que não sai da roda é filhos.

Cada uma com a sua filosofia, medos e ansiedade. Mas aquele brilho no olhar é incontestável. Numa dessas conversas da quantidade de filhos, ouvi uma conta matemática genial:

Onde come um, comem dois. Mas ontem estuda um, não estudam dois.

É para se pensar!

Ai se eu te pego, pegou mesmo!


Podem falar que a música não presta, que não tem nada a ver com o país como algumas revistas já afirmaram, mas é inegável o sucesso que “Ai se eu te pego” de Michel Teló caiu no gosto do povo do mundo inteiro.

Acho que é a primeira vez que vejo tanta versão de uma mesma música.  Já tinha visto as paródias, mas tantas versões em outras línguas não. Não sei dizer em qual idioma essa música ficou mais engraçada, mas temos que parabenizar quem deu a sorte ou teve o conhecimento de escrever esta música. Para dar boas risadas, separei algumas versões. Quem tiver mais, coloca o link nos comentários!!!

Versão Polonesa

Versão francesa

Versão Americana

Versão Espanhol

Em Catalão

Em Hebraico (a primeira parte é em português)

Nem ideia de que língua seja essa

Versão do Paraguai

Versão Italiana

Versão Japonesa

Lavando a alma!


Quem resolveu passar a virada de ano no litoral norte de São Paulo sabe muito bem a expressão-título deste post. O último dia do ano amanheceu chuvoso. Mas não foi qualquer chuva não! Foi daquelas bem fortes e ainda com vento. Vento capaz de ter criado ondas grandes em uma praia que dificilmente se consegue pular as setes ondas de tão calmo que é o mar.

Anoiteceu e a chuva não parou. Pela janela estávamos os 7 olhando para o escuro se conformando pela ausência de fogos que anunciariam a chegada de 2012. Afinal…que fogos iriam aguentar tanta água e vento? Daí veio o susto: um super clarão na Ilha Bela (tipo uma laterna gigante) e puf: acabou a luz por lá. Achávamos que só São Sebastrovão tinha luz ainda! Quando olhamos para a praia, um susto: um barco pesqueiro encalhado na areia e algumas pessoas desesperadas tentando amarrar o barco nos coqueiros para que ele ficasse preso ali. Ventava muito.

Quando chegou 2012 uma surpresa: fogos! Sim. Quem comprou não teve dó, soltou tudo! Foi lindo! A chuva diminuiu e o vento também e o espetáculo foi incrível. A emoção foi tanta que ignoramos o que restava da chuva e corremos para o mar. Pulamos as sete ondas (se simpatia não funciona, mal não faz rs). Olhamos para os lados e vimos que muita gente surgiu do nada para fazer a mesma coisa. Mais espetáculo de fogos. E ficamos ali. ensopados saudando a chegada de mais um ano! Lavamos a alma, sorríamos muito e ainda comemorei um ano de noivado! Esplêndido. Benvindo, 2012!

 

Metas para 2012


Este post tem que começar com um enorme FELIZ ANO NOVO! É, amigo…já chegamos em 2012. O ano que os Maias previram como o fim do mundo. Será? Não importa porque não vim aqui falar a respeito disso e sim uma reflexão sobre 2011 e as minhas metas para este ano.

A começar pela saúde, que tal? Depois vou mudando de assunto rs
1) Baixar drasticamente o nível de glicose no meu sangue e também a insulina para os níveis normais
2) Manter o colesterol e o triglicérides nos níveis saudáveis.
3) Diminuir a porcetagem de gordura de 30% para 22% (pelo menos)
4) Vestir calça 40 confortavelmente e quem sabe também usar 38.
5) Ser menos ansiosa
6) Ter mais paciência e evitar estresses à toa. Prestar mais atenção nas coisas que tenho que fazer.
7) Não beber mais refrigerante! (essa é nova, hein?!) Começa a partir de hoje, 01 de janeiro de 2012. Não comer tanto chocolate (comer só em ocasiões especiais e em pequenas quantidades)
8) Fazer o melhor que eu puder no meu TCC e entregar antes do prazo (hehe)
9)  Me formar feliz em radialismo e com emprego! (sonho)
10) Concretizar alguns objetivos do plano para o casamento!

Outros objetivos vão aparecendo ao longo do ano..eu sei! Quero fazer de 2012 o melhor ano da minha vida!! Uhuuu

Adeus ano velho, Feliz ano novo…


E chegou a hora do derradeiro post de 2011!  Hora daquele super-hiper-mega balanço do ano. Vamos lá?

O ano de 2011 começou com uma novidade sensacional: fiquei noiva! Pois é…em frente à praia, logo após o primeiro almoço do ano eu fui pedida em casamento. Super emoção! Dias depois me matriculei em um academia. Estava com 65,6 kg e 32% de gordura. Colesterol e triglicérides altíssimos! Tinha chegado o momento em que não poderia mais fugir de cuidar da minha saúde.

A academia foi uma novela. Faltei muito em alguns meses, ia todos os dias em outros, mas não cuidava muito da alimentação, mudei isso no derradeiro trimestre. Cheguei a perder muito peso, engordar demais, mas encerro o ano mais magra, triglicérides e colesterol baixíssimos,mas na luta para diminuir a glicose e a insulina no sangue. E claro que uma das resoluções para 2012 é diminuir essa taxa de gordura para 20%, no mínimo e tirar o medo da diabetes da minha frente para sempre.

Na faculdade tive meu grande desafio: produzir um curta-metragem. Foi estressante? Muito! Gratificante? Com certeza. Aprendi um bocado de coisas na marra mesmo e vi que sem organização a vida não anda, nem um curta rs. Percebi que escolhi bem em ter resolvido fazer outra faculdade. Claro que estou um pouco exausta, mas rádio e tv é tão a minha cara! Só que sem o jornalismo, isso não teria acontecido. Bizarro, né?

No estágio eu mudei de função. Estou aprendendo tanto! Cometo alguns erros ainda, infelizmente, mas começo a entender bem melhor o que é um rádio comercial. Bem diferente daquilo que eu imaginava antes de entrar. Confesso que já sei cantar quase todas as músicas hahaha e tenho um pouco de medo de fã de artista. Elas são capazes de cada coisa…nossa senhora! E o melhor de tudo é que cada vez menos eu fico inibida para lidar com pessoas (chefes, ouvintes e o que mais for preciso) e também a entender que cada um pensa diferente e que a união de uma equipe depende do equilíbrio dessas personalidades e o respeito de cada um. É, tô amadurecendo!

2012 será um fim de mais um ciclo! Mesmo que o mundo não acabe como os Maias previram, sei que pra mim um mundo vai terminar: da universidade. Pelo menos da graduação…pós, mestrado e doutorado ficam mais para frente.  O estágio termina e devo ir atrás de emprego (onde estou atualmente ou em algum outro lugar). Vou continuar com a academia, prestar muito mais atenção à minha alimentção e quem sabe já começar os planos efetivos para o casamento.

Me desejo mais calma em 2012. Afinal, ano de TCC, graduação e aquela sensação de “o que vai ser de mim depois de formada?” provam que será um ano um pouco estressante.  Mas…vamos que vamos! Bola pra frente!

Feliz Ano Novo pra todo mundo!!

Feliz Natal


Eba! Ontem foi dia de reunir a família (quase inteira). Mesa farta de comida, conversas, fotos e o famoso comentário: Nossa, Livia..como você engordou (ok, por essa eu esperava, confesso rs). A grande novidade da família é que minha prima está grávida! Que legal! Ano que vem teremos um bebezinho (a) nas festas! Uhu!

A foto está com teto porque a máquina estava encima de uma cadeira

Claro que a melhor parte de ontem, como sempre, foi o Amigo Ladrão. Não sabe o que é isso?  Explico: cada pessoa compra um presente genérico. Pode ser qualquer coisa, tanto para homem quanto para mulher. Embrulhe bem e deixe embaixo da árvore. Alguém vai escrever o nome de todos os participantes em papéis e colocar dentro de um saco. Daí rola o sorteio.

O primeiro nome que sai vai até a árvore e escolhe um presente (de preferência não o que ele trouxe) e abre para todos verem. Depois, sorteia o segundo nome. Esta segunda pessoa tem a opção de roubar o presente do primeiro ou abrir um novo. Se ela roubar, deve dar outro presente para o primeiro participante. Depois ela sorteia o terceiro. A terceira pessoa pode escolher entre abrir um presente novo ou roubar do primeiro ou do segundo. E por aí vai. No final, o primeiro participante pode escolher qualquer presente e roubar! Sacou que é bem mais legal ser o primeiro sorteado, né?

É muito engraçado. Sempre tem um presente que é super disputado. Ano passado foi um brinquedo do Toy Story. Este ano um massageador.

Adoro passar dias assim com a família. (FOTO)

E no almoço…estava mais tranquilo.Uma pequena parte veio porque a outra foi comemorar com a outra parte de suas famílias. A comida era a mesma de ontem, mas não teve problemas. Comemos felizes do mesmo jeito. Foi emocionante ver meu noivo e a família dele comigo. Nosso primeiro Natal juntos!  Não comi quase nada de chocolate. Yeah! Agora continuo com a minha saga!

É tão legal reunir a família assim! Por mim teria Natal uma vez por mês!! Mas sem a comilança exagerada, só a reunião mesmo.

Feira Livre Sobrevive (3)


Ontem às 21h30 eu me vi no Canal Universitário. Foi uma experiência um tanto diferente me ver como entrevistada e não como entrevistadora, como acontece com a maior parte dos jornalistas.

O programa Comunicantes da TV PUC tem 28 minutos e estes 28 minutos foram inteiros pro meu documentário. Foi bem legal. O João Quero, estagiário de jornalismo, foi quem fez a entrevista e a cabeça do programa.  Vamos ao release deles:

 A TV-PUC estreia mais um Comunicantes na próxima terça, às 21h30, no Canal Universitário. O programa visa divulgar o trabalho dos próprios alunos de comunicação da PUC e, neste, será exibido o trabalho da aluna de jornalismo Lívia Di Bartolomeo ‘Feira Livre Sobrevive’. O vídeo é um documentário sobre as feiras livres que até hoje sobrevivem, mesmo com com toda a comodidade dos supermercados.

Logo de cara vocês me veem sentada em uma cadeira num fundo branco. Bendita a hora que resolvi usar uma blusa verde hahaha. Imaginem só se eu estivesse de branco? Só iriam aparecer os meus cabelos. Pela minha televisão, me achei bem gorda, pra ser sincera. Mas vi que a minha TV estava mesmo esticando a imagem…ok..mesmo assim vamos ao regime. Mas isso fica para outro post.

Voltando à feira. Eu até que gostei do jeito que eu respondi às perguntas. Poderia ter falado mais devagar, claro, e ter tido um maior cuidado com os olhos (eu mexia muito o olhar porque estava morrendo de vergonha rs). São coisas que a gente só entende quando nos assistimos mesmo. Aliás, isso é um ótimo exercício, viu! Se assista, se ouça para ver o que você pode ou não melhorar.

Outra coisa que achei interessante foi rever o documentário em si. Fazia um tempo que não colocava o DVD aqui em casa. Fiquei feliz de perceber que mudaria pouca coisa na edição, que tiraria algumas partes só para ficar mais dinâmico. Só tive vergonha do áudio! Nossa..que vergonha! A falta de microfone em alguns monentos deixou o som bizarro. Fora o gigante eco de algumas entrevistas…mas tudo bem. Eu não entendia NADA da parte técnica na época (não que hoje eu seja uma expert), mas sei que se fosse hoje, sairia um pouco melhor.

Em resumo eu fiquei feliz, sabe? É um certo reconhecimento pelo trabalho gigante que este documentário me deu! E isso me dá forças para encarar o segundo TCC que já começou! Vamos que vamos!

Não conseguiu assistir? Canal 11 da Net e 71 (analógico) ou 187 (digital) da TVA

Olha a grade aí de reprise

Feira livre Sobrevive!


Foi com um certo susto, mas uma grande alegria, que há um tempinho recebi um e-mail da Rede PUC querendo me entrevistar por causa do meu TCC que fiz por lá em 2008. E hoje foi a entrevista.

Foi tão estranho voltar à PUC. Fazer o caminho que deixei de fazer há mais de 3 anos, ver que a padaria da esquina ficou pronta e linda, que milhões de prédios chiques foram levantados, que o estacionamento continua caro e o maior choque de todos: o prédio da Comfil, foi interditado! É…finalmente aquele projeto de um novo prédio está sendo colocado na prática.

Entrar lá me deu um sentimento estranho. Como o tempo passou. Tudo bem que não foi tanto assim, mas a sensação é de que não ia ali há anos. Como se tivesse abandonado uma casa.

Não teve como não lembrar da temida banca quando passei pelo mini-auditório ao lado da biblioteca.

Não teve como não lembrar das minhas madrugadas na rua ministro de godoy onde gravei muitas das entrevistas que foram para o documentário.

Não teve como lembrar das aulas, dos professores que odiava e adorava. Da turma que nunca mais vi, apenas duas levei comigo após o término das aulas.

Não teve como não lembrar dos kgs a mais por causa da padaria Benjamim Abraão ou das horas que ficava dentro da biblioteca estudando e lendo livros que nem sempre eram da minha área.

Não teve como não lembrar do início do meu namoro, de ter tirado a minha carteira de motorista, de ter aprendido a amadurecer (pensa que isso é fácil?).

Não teve como não lembrar das manhãs em que sentava naquele murinho esperando aula começar, das dúvidas com o tema do TCC, das brigas com o orientador, do choro de felicidade quando tirei nota 10.

E acima de tudo, não teve não lembrar dos momentos de amor e ódio que tive com o meu TCC. É…a feira livre sobrevive…e a Livia vive e já está encarando um novo TCC.

Quando eu souber a data e horário da exibição da entrevista, aviso vocês.

Ser artista


É muito comum as pessoas endeusarem seu ídolo. Criarem uma imagem de perfeição inantigível de tal forma que quando existe a mínima possibilidade de chegar perto daquela pessoa, você enlouquece. Arranja, morde, puxa, empurra, xinga quem está na frente do seu deus encarnado. E ainda por cima espera que seu ídolo te atenda da melhor forma possível, que pare tudo e bate papo com você por horas. Que tire milhões de fotos, te dê milhões de beijos e vire seu melhor amigo, amante e até namorado.

Quanta utopia! Já havia escrito sobre o que eu penso a respeito do fã, mas nunca havia parado para pensar a respeito do artista. E sabe qual é a minha conclusão? São pessoas normais, como eu, você que está lendo este blog…Pois é…eles também acordam com bafo, vão ao banheiro fazer o número 1 e 2, podem ter a semana de cão e tudo mais…e seria mais interessante se as pessoas parassem para pensar nisso.

Claro que faz parte da rotina de um artista ser atencioso com seus fãs, mas sem exageros. Você não gostaria que um desconhecido te agarrasse no meio da rua, gostaria? Pois é, meu amigo…faça com o próximo aquilo que gostaria que fizessem por você.

Mas neste post eu quero registrar a minha alegria de ver que mesmo depois de uma semana braba, alguns artistas conseguem manter o sorriso, a simpatia e atender os milhões de fãs que chegam perto.  Sei que é difícil, mas parabenizo quem consegue entender o lado fã de ser e procura, mesmo que por 5 minutos, conversar com aquele fã e tornar o momento inesquecível.

Aos que ainda não conseguem fazer isso, tenham paciência. Um dia eles percebem que nem todos devem aguentar o mau humor. Eu digo isso para famosos e pessoas não famosas também. Lembre-se: ninguém tem nad a ver com os seus problemas pessoais. Levante a cabeça e trate os outros com o respeito que merecem.

O que eu aprendi no fim de semana…


Quando a gente menos espera acontece milhares de coisas que nos fazem aprender…e muito! Nesse fim de semana passei por esta experiência e gostaria de compartilhar aqui.

1. Viajar na sexta-feira à noite pós-trabalhar pode ser cansativo. Mas se tiver pessoas legais junto com você no carro,a  diversão aparece com certeza.

2. O melhor Ovomaltine do mundo fica na rodovia dos Tamoios. Vale a pena pagar R$ 2,75 por um copo que dificilmente você vai provar sabor tão incrível.

3. Dizer adeus à uma casa pode ser mais estranho do que você imagina. O sentimento de apego briga muito com aquela sensação de que você não pertence mais àquele lugar.

4. Dormir às 0h e levantar às 03h não é impossível, mas cansa….e muito.

5. Não sou só eu que acordo com um baita de um mau humor…muito menos não sou a única que precisa de uns instantes na hora de acorda para assim poder iniciar uma conversa.

6. Tem gente que consegue acordar dando gargalhadas (ainda quero entender isso)

7. As meninas que usam maquiagem sempre ficam com cara de doentes quando acordam sem a maquiagem.

8. Organizar um café da manhã para 9 pessoas é muito difícil. Se acertei o gosto da metade, foi muito.

9. Ir para praia às 4h30 e chegar lá às 5h, dá medo. É tão vazio que qualquer movimento estranho, você arregala os olhos.

10. Ver que a reação das pessoas ao chegar ao lugar que você escolheu foi melhor do que você imaginava, anima qualquer pessoa.

11. Ver o sol nascer atrás da Ilha Bela é sensacional

12. Osbervar a mudança de iluminação e cores na água e naquele píer é como receber um presente de Deus de tão lindo que é.

13. O dia clareia mais rápido do que eu imaginava. Quando eu menos esperei, já tinah amanhecido totalmente.

14. Nunca jogue uma camisa social na água do mar muito menos arraste-a pela areia. Isto mancha, acredite!

15. Um blazer de brechó tem a enorme capacidade de sugar areia. Mesmo lavando 50 milhões de vezes, a areia permanece grudada nele.

16. Viajar de volta para São Paulo às 9h é cansativo. O silêncio no carro dominou a volta inteira. Sinto dó de quem estava dirigindo.

20. Chegar em casa às 13h com o sentimento de dever cumprido é uma das melhoras sensações da vida

21. Perceber que a dor de cabeça só vai passar depois de você dormir as horas necessárias do dia…

22. Perder o sábado inteiro dormindo de picado deixa o seu domingo mais descansado.

23. Contar com as pessoas e ver que o trabalho em grupo é fundamental

24. Aprender a respeitar as diferenças e confiar na capacidade de cada um…

25. Os borrachudos também habitam São Sebastião

26. Molhar o pé na água alivia a picada de borrachudo, mas não evita

27. A formação de nuvens de chuva perto da serra parece fumaça de poluição

É…quanta coisa para um fim de semana…isso porque só tenho 24 anos…

Feliz dia do amigo


Dia 20 de julho é conhecido como dia do amigo. Mas de onde veio isso?

De acordo com o Wikipedia, tudo começou com os argentinos em Buenos Aires a partir de um decreto (nossa, que chique). Dizem que o Dia do Amigo foi criado porque neste mesmo dia, em 1969, o homem pisou na lua. Mas o que isso tem a ver?

Para um homem chamado Enrique Hernesto Febbraro foi um momento imporante na história da humanidade. Como um feito para mostrar a todos que com a união podemos realizar coisas impossíveis. Para isso, Enrique enviou muitas cartas (mais de 4 mil) para diversos países (escritas em vários idiomas) para convencer desta ideia.

Aqui no Brasil o Dia do amigo era comemorado em 18 de julho. Mas o apelo emocional deste fato fez que com adotássemos a data mundial.

O que fazer no dia do amigo? Mande uma mensagem, dê um abraço, um beijo…sou simplesmente lembre-se daquela pessoa que  você considera um amigo de verdade. Avalie as suas amizades e acima de tudo veja se você é um bom amigo.

Segue uma mensagem retirada do site http://www.belasmensagens.com.br

Pode ser que um dia deixemos de nos falar…
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.Pode ser que um dia o tempo passe…
Mas, se a amizade permanecer,
Um do outro há de se lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos…
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos…
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe…
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente,
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos pra sempre.

Há duas formas para viver sua vida :
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.

Feliz Dia do Amigo!

Feliz dia dos namorados


O Dia dos Namorados chegou! Já sinto o cheiro das rosas vermelha embaladas ao aroma do chocolate e muitos sorrisos com corações palpitando de felicidade.

Que dia mais engraçado. O comércio e marketing vendem muito a ideia de que hoje é o dia de ficar ao lado de quem se ama. Dia de gastar muito em um restaurante, comprar aquele presente caro ou esperar horas na fila para entrar em um motel.

Mas, pensando bem…o que é este dia? É mais um dia comum. Se você ama alguém você quer que todos os dias sejam o Dia dos Namorados. Por isso, não espere o dia 12 de junho para dizer que você ama alguém. Diga todos os dias, todas as horas. Apareça com flores em momentos inesperados. Divida sempre a caixinha de chocolates (engorda menos rs), mas o mais importante: fique sempre com a pessoa amada.

Aproveito este post para fazer uma declaração de amor ao meu noivo lindo.

Ele já ouviu isso, mas quero que o mundo saiba o quanto eu te amo!

Que todos os dias continuem sendo o dia dos namorados/noivos pra gente, meu lindo!

Colagem


Eba! Primeiro trabalho prático pronto deste terceiro ano de faculdade!!

Na aula de edição de rádio eu e minha dupla (como sempre a Bruna Marques) fizemos uma colagem de 3 minutos com sons e músicas. A ideia do professor era brincar com colagem mesmo.

Não precisava ser uma narrativa, mas tinha que ter começo, meio e fim.

Pois bem, soltamos a nossa imaginação e eis o que saiu.

Não vou falar aqui porque fizemos assim, quero ouvir o que você entendeu desta colagem.