Expectativas


Algo que aprendi entre julho de 2013 e hoje é não crie expectativas.

expectativa

Não confunda expectativa com objetivos e metas, são coisas bem diferentes.

Expectativa: Estado de quem espera algum acontecimento, baseando-se em probabilidades ou na possível efetivação deste.
Desejo intenso por algo próspero: expectativa de um bom trabalho. Dentro disso, encontramos como sinônimo a palavra esperança e como antônimo a desilusão.

Objetivo:É o que se quer alcançar , o que move as pessoas a agirem ou a tomar alguma decisão.

Pois bem. Quando criamos expectativa de algo que acaba não dando certo o choque é muito grande. Eu, por exemplo, tinha a expectativa de hoje já estar no meu peso ideal ou que meu marido adivinhasse certos desejos e vontades que tenho. Coitado, por que fui colocar uma responsabilidade desta nas costas dele? Piadas à parte, ninguém nasce com bola de cristal, não é mesmo?

E conversando com amigas notei que o maior problema de qualquer tipo de relacionamento é a expectativa que criamos em cima do outro. A decepção quando este “desejo” não se realiza é tão grande que está sujeito a raiva aparecer. E até mesmo a mágoa. E isso está errado.  Não sou muito de ler livros de auto ajuda, mas confesso que já li alguns como o famigerado “As mulheres são de marte e os homens são de vênus” e já vi alguns vídeos na internet satirizando os clichês das brigas de casais. E não tem jeito: homem e mulher pensam diferentes. Aliás, qualquer pessoa pensa diferente de você. E partir do momento em que você começa a aceitar isso, as coisas podem ficar mais fáceis. Mas, calma que não é suficiente.

Algo que tenho praticado é ser mais direta. Não grossa, mas por exemplo, mais clara quanto ao meu desejo. Vou dar um exemplo caseiro: “Amor, você pode lavar a louça agora?” Dependendo da resposta dele, eu ainda explico por que quero que ele faça aquilo naquele determinado momento. E voilà: as coisas acontecem. Antes, eu só pensava “Bem que ele podia fazer x,yz…” e o coitado nem sabia o se passava na minha cabeça. E eu ficava brava sem motivo algum.  Pra que, né? O mesmo acontecia com algum colega de trabalho, eu tinha dificuldade em dizer o que queria e quando a pessoa não adivinhava, eu ficava muito brava.

Este pensamento em relação à expectativa tenho expandido a outros relacionamentos também: profissionais, familiares e até de amizade. Tenho procurado não esperar muito das pessoas e quando quero algo delas, eu tenho falado mais claramente. E  vou confessar: não é fácil. Acredito que temos medo de falar o que pensamos por receio de uma rejeição, mas mais uma vez, ninguém é obrigado a fazer aquilo que você quer. E outra coisa que aprendi com a vida: o não a gente sempre tem, mas tente, vai que você encontra o sim?

Relacionamentos, de qualquer natureza, são difíceis. Porque não existe um dominador, existe uma igualdade – ou pelo menos deveria existir – e por isso é tão difícil.  Mas ajuda se colocar no lugar do outro e ouvir seu próprio pedido. Assim, você aprende a olhar pra si e ver quem você realmente é e o que quer da vida.

Estou filosofando bastante, né? Ainda mais depois de ter ficado bastante tempo sem postar. Na verdade, eu havia começado este post em agosto, mas por falta de tempo (ou planejamento?) acabei deixando pra lá. Mas é um assunto que tenho gostado bastante de pensar a respeito e, por isso, resolvi postar.

Essa coisa de crescer não é fácil, mas quem disse que precisa ser sofrida? Vivendo e aprendendo. Crie objetivos e não expectativas….

Feliz dia do amigo


Dia 20 de julho é conhecido como dia do amigo. Mas de onde veio isso?

De acordo com o Wikipedia, tudo começou com os argentinos em Buenos Aires a partir de um decreto (nossa, que chique). Dizem que o Dia do Amigo foi criado porque neste mesmo dia, em 1969, o homem pisou na lua. Mas o que isso tem a ver?

Para um homem chamado Enrique Hernesto Febbraro foi um momento imporante na história da humanidade. Como um feito para mostrar a todos que com a união podemos realizar coisas impossíveis. Para isso, Enrique enviou muitas cartas (mais de 4 mil) para diversos países (escritas em vários idiomas) para convencer desta ideia.

Aqui no Brasil o Dia do amigo era comemorado em 18 de julho. Mas o apelo emocional deste fato fez que com adotássemos a data mundial.

O que fazer no dia do amigo? Mande uma mensagem, dê um abraço, um beijo…sou simplesmente lembre-se daquela pessoa que  você considera um amigo de verdade. Avalie as suas amizades e acima de tudo veja se você é um bom amigo.

Segue uma mensagem retirada do site http://www.belasmensagens.com.br

Pode ser que um dia deixemos de nos falar…
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.Pode ser que um dia o tempo passe…
Mas, se a amizade permanecer,
Um do outro há de se lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos…
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos…
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe…
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente,
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos pra sempre.

Há duas formas para viver sua vida :
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.

Feliz Dia do Amigo!

Batata frita, infância e risadas


Rever aquela sua amiga de infância, que você conheceu aos 5 anos é algo maravilhoso. Sua companheira de brincadeiras, risadas, choro, brigas e acima de tudo, de conselhos.

Foram anos e anos morando no mesmo prédio e revezando entre o 131 e o 313. Madrugadas brincando de barbie ou tentando zerar algum jogo do super nintendo. A adolescência chegou e fomos deixando o faz-de-conta de lado e vendo que a vida não era tão simples como a da boneca.

A nossa primeira grande separação foi quando mudei de prédio, mas demos o nosos jeito de continuar nos falando. Terminamos ensino médio, entramos na faculdade…nos formamos…as circunstâncias da vida nos afastaram um pouco…já não era todo final de semana juntas, mas de uma coisa eu ainda tenho certeza: todas as vezes que nos vemos é aquela alegria!

O sentimento de criança volta e a gente ri, come batata-frita e relembra de como a vida era mais simples naquela época.

Hoje somos adultas e nossos caminhos quase nunca se cruzam..mas quando encontramos um jeito..é aquele gostinho de felicidade. Afinal são 18 anos de amizade e aquela frase clichê de que ” a amizade é como o sol, não precisa vê-lo todos os dias para saber que existe”, serve para nós duas.

Mais que uma amiga, é aquela irmã (oriental, tanto na etnia quanto no sentido de conselhos) que eu sei que posso sempre contar. Ainda mais que abob e berin se encontraram por acaso e se combinaram bem melhor que qualquer salada.

Despedida


Confesso que é difícil dizer “tchau”. Não aquele tchau que você diz quando sabe que vai ver a pessoa no dia seguinte, mas aquele que você sente que é mais prolongado. Não chega a ser um “adeus”. Ok, pode ser um “adeus” à aquela rotina.

Se não fosse por ela, eu não teria arranjado um emprego. Aliás, indo mais para o passado, foi com ela que aprendi a ser nerd e entender que não preciso dar satisfação a ninguém. Posso rir alto, gostar de coisas fúteis e ao mesmo tempo apreciar cineastas renomados. Não preciso ter vergonha de assumir quem sou. Aprendi tudo isso com ela.  A garota sem papas na língua que sempre foi sincera: na amizade e nas broncas.

Nutrimos coisas iguais: profissão e paixão pela dança do ventre. Gostos musicais ora se juntam, ora se distanciam. Filmes, eu aprendo muito com ela. Livros, compartilhamos ideias e divergimos em alguns gêneros.  Mas não brigamos por isso.

Depois de um ano trabalhando juntas, ela se foi. Para outro lugar. Um lugar que ela gosta, disso eu tenho certeza. A despedida foi uma mistura de tristeza por não vê-la mais todo dia, mas alegria por saber que ela vai seguir firme no que gosta. Só posso desejar felicidades e sucesso e nem preciso ficar muito triste, porque a amizade continua. Demorei para escrever aqui porque não achava palavras dignas, mas como ela mesmo me lembrou que posso ser quem eu sou, saiu isso. (risos)