Uma noite com Yanni


Nessa quinta-feira eu realizei um sonho. Aliás, eu e o noivo realizamos um sonho. Fomo ao show do Yanni no Credicard Hall, na turnê “One evening with Yanni”. (pra quem curte, ele está em São Paulo até amanhã)
Eu conheci as músicas do Yanni em 2005, logo no início do namoro. Nunca vou esquecer a emoção que foi ver o DVD dele de Acrópolis. Eu nunca tinha escutado nada igual e fiquei impressionada. Desde então, procuro os dvds e músicas dele e sempre ficava de olho se algum dia ele viria se apresentar no Brasil.

Na primeira vez que ele veio, perdemos a chance de comprar os ingressos: se esgotaram quase que instantaneamente. Mas, desta vez, ganhamos um par e fomos alegres e contentes prestigiar este instrumentista grego. Chegamos lá e já percebemos que a orquestra é reduzida em comparação ao que já tínhamos assistido em dvd, mas a emoção continuou.

Esta é a abertura filmada por alguém que estava na plateia superior

Eu confesso que as lágrimas caíram no momento em que a orquestra entrou.

Fiquei extremamente feliz de ver que o Yanni trouxe consigo: Charlie Adams, seu baterista que nos supreendeu no meio do show com um incrível solo de bateria e ainda usando o uniforme da seleção brasileira. Samvel Yervinyan, nos violinos, o armênio que manda muito bem. Já tínhamos admirado o trabalho dele nos dvds e foi emocionante vê-lo ali ao vivo. O arpista ,Victor Espinola, com cabelos curtos e bem mais velho, mas com um talento admirável.

Fiquei muito feliz de conhecer praticamente todas as músicas que ele tocou. É claro que para mim, 0 momento ápice foi quando ele tocou “storm”.

– este é do DVD.

Um momento que me fez chorar muito foi a música Nightingale que Yanni compôs especialmente para a China. Ouçam a voz da cantora. É de chorar…linda demais

Cenas engraçadas e divertidas

1) Charlie com uniforme da seleção e no meio do solo da bateria, ele bebe água.
2) Yanni falando em português: frases como “Olá, obrigado são paulo, boa noite brasil e jamais esquecerei vocês”
3) Yanni fazendo discurso em inglês e o tradutor traduzindo mal e porcamente. Detalhe que até o Yanni percebeu e deu risada.
4)  Fãs doidas gritando “Yanni lindo” e ele dando risada

Enfim..foi tudo de bom. Quero ir mais vezes com certeza. Mas é bom juntar dinheiro porque um show deste é beeeeem caro, mas vale a pena. ô, se vale. Guardarei esse dia na memória!

Jorge e Mateus ao vivo em Londres e algumas horas mais tarde nos cinemas brasileiros


A expectativa era grande. A data havia sido marcada para o dia 20 de setembro de 2012. A dupla sertaneja Jorge & Mateus estaria pela primeira vez na casa mais famosa de shows de Londres, “Royal Albert Hall”, mesmo local em que Adele e grandes nomes da música já passaram. A casa suporta menos de 4 mil pessoas e pelas imagens, o número estava bem próximo: praticamente lotado.

A gravação do DVD foi dirigida por Hamish Hamilton, que já dirigiu Madonna e U2 e teve uma direção de fotografia e arte de tirar o fôlego. O cenário era apenas um telão e nele se via as mais belas imagens.

Mas eles não ficaram só nisso.

Fizeram uma parceria com a Rede Cinemark e este mesmo show seria transmitido no mesmo dia na rede de cinemas. 16 cidades brasileiras tiveram acesso à novidade. Tudo muito mágico para os milhões de fãs da dupla.

Porém, o show não foi ao vivo como o de Chitãozinho & Xororó para a Ford no ano passado no Villa Country, com transmissão simultânea pelo YouTube. Com algumas horas de atraso, o show aqui no Brasil estava marcado para as 21h (e já tinha sido encerrado 4 horas antes). E veio editado porque normalmente uma gravação de DVD tem algumas pausas, repetição de música por problemas técnicos dentre outras coisas.E no cinema, show direto.

Tive a experiência de assistir ao show no Cinemark do Shopping Iguatemi. A sala não estava lotada, mas foi o show iniciar que tive a impressão que as pessoas conseguiram se sentir em Londres.

Digo isso porque todas as músicas tocadas tiveram coro na sala, palmas, mãozinhas pra cima e até algumas pessoas levantaram para dançar. Claro que lembrei do meu TCC (rs), porque da mesma forma que Hitchcock conseguiu fazer uma metáfora do cinema com “Janela Indiscreta” ,o Cinemark nos fez sentir no show em Londres, só que o inverso que o filme fez. Em “Janela Indiscreta”, Jefferies age como o público do cinema e no cinemark, agimos como o público que estava presente no show.

Foi algo interessante de se ver. Brecht não iria curtir a brincadeira, certeza. Afinal ele gostaria de lembrar que estávamos na sala de cinema e não nas arquibancadas em Londres.

Infelizmente, a transmissão teve algumas quedas de sinal e o show terminou de uma maneira brusca, fade out e fim. Soubemos que lá na terra da rainha teve bis do novo sucesso “Flor”, mas por aqui, foi-se a última música e a luz do cinema se acendeu. Mas tenho quase certeza que isso não tirou o brilho dos olhos de quem esteve lá em Londres e de quem conseguiu comprar o ingresso do cinema.

Foi uma maneira criativa de divulgar o trabalho e imagino que muito em breve, os artistas irão nos surpreender cada vez mais. Eu, estudante de rádio e tv, fico cada vez mais encantada com as possibilidades que a tecnologia nos traz para fazer o nosso trabalho cada vez mais com maestria e criatividade. Sensacional.

Vamos alguns videozinhos não oficiais?

Alguém lá no show, live in London

Muita gente filmando pelo cinema. Sim, os lanterninhas tentaram impedir várias vezes, sem muito sucesso.

Este aqui é o vídeo oficial de “Flor” que fez parte do DVD de Floripa

Credenciais


Quando eu era adolescente, costumava ir todo ano aos shows da dupla Sandy & Junior e também Zezé Di Camargo e Luciano.  Sempre me encantava e ficava emocionada com a produção do show e com a oportunidade de ver os ídolos ali na sua cara.

Já perdi a conta de quantas vezes tentamos entrar no camarim. Horas e horas esperando após o show e aquele segurança até que simpático dizia que não era possível. Batia aquela tristeza de ver que algumas pessoas conseguiam e eu nunca, mas eu tentava ficar feliz sabendo que eu pelo menos tinha visto o show o mais perto do palco possível.

Cresci e desancanei de chegar perto de artista. Ainda não fui a sortuda que ganhasse sorteios de rádio, fã-clubes etc…então…achava melhor nem ficar pensando nisso. Eu ia pro show, curtia, comprava cd e dava o meu jeito de imaginar como seriam os meus ídolos de perto.

Anos se passaram….hoje faço estágio em uma rádio bem famosa. É incrível ver como tudo funciona e a cada dia fico mais encantada pela profissão. Aí…quando eu menos esperava, tive que acompanhar as sortudas ao camarim de uma dupla sertaneja.

Chegamos cedo, horas antes do início, e a primeira surpresa aconteceu: recebi a minha credencial. Meu nomezinho tava lá….e pendurei com toda a alegria no pescoço, por cima da camiseta da rádio. Estava radiante.

A otura surpresa foi como as pessoas do local e da produção do show me trataram. Estava tão acostumada a ser ignorada pelos seguranças e equipe que demorei para raciocinar que eu estava sendo tratada como alguém e não uma fá enlouquecida.

Conheci as ouvintes e vi nos olhos delas aquela expectativa que eu tanto tinha quando ia aos shows, só que desta vez, elas sabiam que iam conhecer seus ídolos de perto.  Momentos antes de entrar no camarim, eu percebi que fui ficando eufórica por elas…que eu daria tudo para anos atrás está ali e poder abraçar quem eu tanto escutava no rádio.

Eu estava ali, dentro do camarim..vendo a dupla prestigiada, milhares de jornalistas doidos para uma foto e uma rápida entrevista e a equipe de produção correndo para lá e para cá acelerando todos para que o show pudesse começar. E ninguém tentou me tirar dali. Pude ver tudo de pertinho e finalmente entendi o que são os bastidores.

É pauleira, tudo acontece muito rápido que nem dá tempo de ficar muito ansioso para o início. Quando você pisca, já sairam todas aquelas pessoas do camarim e já estão te dando as camisetas que você deve jogar para o público antes do show.

É tudo muito rápido…quando o show começa você consegue sentir a adrenalina dos fãs que não entraram no camarim e o sorriso enorme daquelas que entraram e ficaram aqueles poucos segundos ao lado da dupla, mas que valeram toda a espera.

Foi inacreditável e muito legal ver como funciona um grande show. E olha…depois dessa eu entendi porque é tão caro. Tanta gente trabalhando ali atrás das cortinas, horas em pé, correndo para lá e para cá para garantir que você, fã, tenha o melhor show da sua vida.

Momento nostalgia


É tão engraçado como uma coisa te faz recordar a sua infância. O lançamento do primeiro cd solo da Sandy, agora Sandy Leah, foi suficiente para despertar em mim todo aquele sentimento de criança/adolescente de quando eu ia aos shows e assistia ao seriado que passava na Rede Globo. Alguém se lembra?

Graças ao youtube, achei ele dividido em 06 partes. Segue a primeira. Segue a primeira

Pra quem não gostava da dupla é legal olhar a carinha de infância deles e dos outros atores. Em 1998, a Mariana Ximenes ainda era um bebê e tava começando a carreira. Muito fofinha. Este primeiro episódio foi um especial para a emissora e só em 1999 que acabou virando seriado. Confesso que eu adorava! Também tinha 12 anos e tudo era lindo, morria de vontade de estudar no Liceu deles hehe. Nessa época eu estava na 6ª série e idealizava o ensino médio, achava que era igualzinho ao seriado (ó, doce inocência rs). Lembro até de quando uma amiga da escola foi figurante em um dos episódios…e eu gravei em VHS tentando encontrá-la ao melhor estilo “Onde está o Wally?”

Enfim…post curto mais para externar esse sentimento que bateu em mim ao ouvir o novo álbum dela. Segue vídeo da Sandy cantando no Caldeirão do Huck em 8 de maio de 2010.